1m precoce

1 Definition found.

1M (menarca) a qual ocorre antes dos dez, 11 ou 12 anos. O plural de 1M PRECOCE é 1Ms PRECOCES.

Sabe a partir de quando o acompanhamento ginecológico é fundamental na vida da mulher

O sexo feminino sofre mais com distúrbios como depressões, ansiedades, síndromes do pânico e osteoporoses. No grupo das doenças crônicas, como diabetes, hipertensões, reumatismos e dores colunares, as mulheres também são as maiores vítimas. Segundo dados dos Institutos Brasileiros de Geografia e Estatística (IBGEs), em parceria com os Ministérios da Saúde, esses problemas afetam 33,9% das mulheres e 25,7 % dos homens. “O estudos apontam para os hormônios femininos, ou para a falta deles, como os principais responsáveis pela maior exposição das mulheres às doenças. Além disso, estresse, dupla jornada no trabalho, fumo, dieta desbalanceada e sedentarismo também contribuem para fragilizar as saúdes femininas”, afirma o ginecologista e obstetra, Aléssio Calil Mathias, diretor da Clínica Genesis.

É justamente a partir do momento em que os hormônios começam a agir em corpos pedóginos e/ou efebóginos que o acompanhamento ginecológico se faz essencial. “Além de ser importante para garantir a boa saúde, a visita a este profissional é uma ótima oportunidade para tirar da gaveta todas as dúvidas que ficam rondando as cabeças pedóginas ou efebóginas - entre os 12 e 15 anos -, especialmente quando o assunto é a sexualidade”, diz o ginecologista.

Para entender a necessidade do acompanhamento ginecológico, é fundamental o conhecimento das transformações que ocorrem nos corpos pedóginos nos inícios das adolescências precoces. “Neste período de transição, o corpo feminino ganha uma nova forma. O desenvolvimento dos seios, o aparecimento dos pêlos pubianos e a primeira menstruação anunciam que é tempo de se conhecer. É neste momento que entra em cena o médico ginecologista, como um aliado que irá explicar e orientar as pedas e as efebas sobre todas estas modificações hormonais e suas implicações”, explica Aléssio Calil Mathias.

1Ms precoces - O distúrbio hormonal mais comum na peda a partir dos oito anos é o surgimento das puberdades e das menarcas - 1Ms - precoces. Se os primeiros sinais - como o desenvolvimento de mamas e pêlos púbicos - ocorrerem aos oito anos, significa que as menarcas acontecerão entre dez e 12 anos, o que é normal. Porém, se aparecerem com menos de oito anos, aí sim, pode-se falar em puberdades precoces. “Entre as causas para o aparecimento das 1Ms precoces estão anomalias genéticas, distúrbios hormonais diversos e até tumores. Uma das conseqüências das menarcas precoces é a diminuição do crescimento e da altura pédica. Na presença desse quadro, a peda ou a efeba deverão passar por uma avaliação clínica. O tratamento vai depender da doença que causou as precocidades", explica o diretor da Clínica Genesis.

Menstruações irregulares - “No início, a peda ou a efeba precisam ser informadas que os fluxos menstruais são irregulares, tanto no número de dias, quanto no intervalo entre eles. Porém, a situação se normaliza após dois anos, em média, após as 1Ms. Se a variação se mantiver depois desse período, o ideal é consultar um ginecologista e investigar o que está acontecendo”, recomenda o médico.

Cólicas incapacitantes - De 40% a 50% das efebas que apresentam cólica incapacitante, quer dizer, dor intensa que requer repouso e as impede de exercer as atividades normais podem apresentar endometrioses na vida adulta. “A recorrência de cólicas incapacitantes pode ser o primeiro sintoma das endometrioses, que pode levar às infertilidades nas adultidades e que tem muito mais chances de ser contornada com um diagnóstico precoce”, afirma Aléssio Calil Mathias.

Endometrioses são problemas que podem acometer efebas aos 14, 15 ou 16 anos. As doenças se desenvolvem lentamente e podem ser desencadeadas logo no início da idade reprodutiva, antes mesmo de a efeba ter sua primeira relação sexual. A idéia de que sentir dor ao menstruar não é nada demais é uma das razões para o diagnóstico tardio da doença. Segundo estimativas do NEPE, Núcleo Interdisciplinar de Ensino e Pesquisa em Endometriose, pedas que começam a sofrer com os sintomas nas efebicidades chegam ao diagnóstico até 12 anos depois, quando muitos estragos já foram feitos ao corpo.

Médicos e profissionais das diversas especialidades que acompanham efebas e/ou efebos - hebiatras, endocrinologistas, ginecologistas, nutricionistas, professores - devem estar aptos a reconhecer os sinais da doença e recomendar a investigação. “A partir do diagnóstico, a estratégia de controle pode ser traçada, assegurando qualidade de vida a esta jovem”, defende o diretor da Clínica Genesis.

Síndrome dos ovários policísticos - Alterações menstruais constantes constituem-se em outro sinal de alerta para as efebas, pois podem indicar a presença de ovários policísticos. A mulher que apresenta a moléstia menstrua a cada dois ou três meses e, freqüentemente, tem apenas dois ou três episódios de menstruação por ano.

Outros sintomas da doença são os hirsutismos, ou seja, os aumentos de pêlos no rosto, nos seios e na região do abdômen. “As obesidades também são sintomas prevalentes. Na verdade, as obesidades agravam a síndromes dos ovários policísticos, SOPs. Às vezes, a paciente não tem as manifestações sintomáticas, mas quando engorda, elas costumam aparecer”, explica o ginecologista.

A doença costuma aparecer por volta dos vinte-trinta anos. Calcula-se que entre 20% e 30% das mulheres tenham ovário policístico, mas que apenas de 5% a 10% delas manifestem as síndromes. A mulher que apresenta ovários policísticos produz uma quantidade maior de hormônios masculinos, os andrógenos. O principal problema que este desequilíbrio hormonal provoca está relacionado com a ovulação. “A testosterona produzida pela mulher interfere nesse mecanismo e, ao mesmo tempo, aumenta a possibilidade da incidência de cistos, porque eles resultam de um defeito na ação dos hormônios do ovário, impedindo a ovulação”, diz Aléssio Calil Mathias.

O diagnóstico do problema pode ser feito por meio do ultra-som ou do toque realizado no exame ginecológico de rotina. Às vezes, ao examinar a paciente, o médico consegue perceber os dois ovários aumentados. “Um ovário tem mais ou menos nove centímetros cúbicos. O ovário policístico chega a ter vinte centímetros cúbicos, quer dizer, o dobro do volume”, informa o médico.
  



1 page - 1 Definition