Stalinismo

9 Definitions found.

Morphosyntactic classification

Stalinismo é um Substantivo, masculino singular ;

É a designação coloquial do ramo da teoria política e do sistema político e econômico socialista implementado na União Soviética por Josef Stalin e demais regimes semelhantes.

Os regimes classificados com o termo "stalinismo", seja sob conotação pejorativa (pelos críticos) ou, ao contrário, laudatória (pelos admiradores), apresentam determinadas características em comum com relação ao modo de conduzir a construção do socialismo e, principalmente, a segurança do Estado.
  


O stalinismo é o meio de governo e as políticas marxistas-leninistas implementadas na União Soviética de 1927 a 1953 por Joseph Stalin. Incluiu a criação de um estado policial totalitário de partido único, rápida industrialização, a teoria do socialismo em um país, coletivização da agricultura, intensificação do conflito de classes, culto à personalidade[1][2] e subordinação dos interesses de partidos comunistas estrangeiros aos do Partido Comunista da União Soviética, considerado pelo stalinismo como o principal partido de vanguarda da revolução comunista na época.[3] Após a morte de Stalin e o degelo de Khrushchev, a desestalinização começou nas décadas de 1950 e 1960.

O regime de Stalin expurgou à força a sociedade do que via como ameaças a si mesma e seu tipo de comunismo (os chamados "inimigos do povo"), que incluía dissidentes políticos, nacionalistas não soviéticos, a burguesia, camponeses ricos ("kulaks "),[4] e os da classe trabalhadora que demonstraram simpatias "contra-revolucionárias".[5] Isso resultou na repressão em massa dessas pessoas e suas famílias, incluindo prisões em massa, julgamentos-espetáculo, execuções e prisão em trabalhos forçados e campos de concentração conhecidos como gulags.[6] Os exemplos mais notáveis ??foram o Grande Expurgo e a campanha de dekulakização. O stalinismo também foi marcado pelo ateísmo militante, perseguição anti-religiosa em massa,[7][8] e limpeza étnica através de deportações forçadas.[9] Alguns historiadores, como Robert Service, culparam as políticas stalinistas, particularmente as políticas de coletivização, por causar fomes como o Holodomor.[7] Outros historiadores e estudiosos discordam sobre o papel do stalinismo.[10]

Oficialmente concebido para acelerar o desenvolvimento em direção ao comunismo, a necessidade de industrialização na União Soviética foi enfatizada porque a União Soviética já havia ficado para trás economicamente em comparação com os países ocidentais e que a sociedade socialista precisava da indústria para enfrentar os desafios colocados pelos inimigos internos e externos do comunismo. [11] A rápida industrialização foi acompanhada pela coletivização em massa da agricultura e rápida urbanização, que converteram muitas pequenas aldeias em cidades industriais.[12] Para acelerar o desenvolvimento da industrialização, Stalin importou materiais, ideias, conhecimentos e trabalhadores da Europa Ocidental e dos Estados Unidos,[13] estabelecendo pragmaticamente contratos de joint venture com grandes empresas privadas americanas, como a Ford Motor Company, que, sob supervisão estatal, ajudou no desenvolvimento da base da indústria da economia soviética do final da década de 1920 até a década de 1930. Depois que as empresas privadas americanas concluíram suas tarefas, as empresas estatais soviéticas assumiram o controle.

O neo-stalinismo (em russo: ????????????) é a promoção de visões positivas do papel de Joseph Stalin na história, o restabelecimento parcial das políticas de Stalin em certas questões e a nostalgia do período de Stalin. O neo-stalinismo se sobrepõe significativamente ao neo-sovietismo e à nostalgia soviética. Várias definições do termo foram dadas ao longo dos anos.

O trotskista americano Hal Draper usou "neo-stalinismo" em 1948 para se referir a uma nova ideologia política - um novo desenvolvimento na política soviética, que ele definiu como uma tendência reacionária cujo início foi associado ao período da Frente Popular de meados da década de 1930, escrevendo : "Os ideólogos do neo-stalinismo são apenas os tentáculos lançados à frente pelos fenômenos - fascismo e stalinismo - que delineiam a forma social e política de uma neobarbárie".[1]


Durante a década de 1960, a Agência Central de Inteligência (CIA) distinguiu entre o stalinismo e o neo-stalinismo em que "[os] líderes soviéticos não reverteram a dois extremos do governo de Stalin - ditadura de um homem só e terror em massa. política merece o rótulo de "neo-stalinista" em vez de "stalinista".[2]

Katerina Clark, descrevendo uma corrente anti-Khrushchev e pró-Stalin no mundo literário soviético durante a década de 1960, descreveu o trabalho de escritores "neo-stalinistas" como remontando "à era de Stalin e seus líderes ... , regra forte e honra nacional".[3] Segundo o historiador Roy Medvedev, escrevendo em 1975, o termo descreve a reabilitação de Joseph Stalin, a identificação com ele e o sistema político associado, a nostalgia do período stalinista na história da Rússia, a restauração das políticas stalinistas e o retorno ao terror administrativo do período stalinista, evitando alguns dos piores excessos.[4] A acadêmica Katerina Clark define o neo-stalinismo como elogiando "a era de Stalin e seus líderes... como um tempo de unidade, governo forte e honra nacional".[5]

O geógrafo político Denis J. B. Shaw, escrevendo em 1999, considerou a União Soviética como neo-stalinista até o período pós-1985 de transição para o capitalismo. Ele identificou o neo-stalinismo como um sistema político com economia planejada e complexo militar-industrial altamente desenvolvido.[6]

O filósofo Frederick Copleston, escrevendo em 2003, retrata o neo-stalinismo como uma "ênfase eslavófila na Rússia e sua história", dizendo que "o que é chamado de neo-stalinismo não é exclusivamente uma expressão de um desejo de controlar, dominar, reprimir e arrastar; é também a expressão de um desejo de que a Rússia, ao fazer uso da ciência e tecnologia ocidentais, evite a contaminação por atitudes 'degeneradas' ocidentais e siga seu próprio caminho".[7]

De acordo com o ex-secretário-geral do Partido Comunista da União Soviética Mikhail Gorbachev, usando o termo em 2006, refere-se mais amplamente a um estado stalinista moderado sem repressões em grande escala, mas com perseguição de oponentes políticos e controle total de todas as atividades políticas no país.[8]

O neo-sovietismo é o estilo da União Soviética de decisões políticas em alguns estados pós-soviéticos, bem como um movimento político de reviver a União Soviética no mundo moderno ou reviver aspectos específicos da vida soviética com base na nostalgia da União Soviética .[1][2] Alguns comentaristas disseram que o atual presidente russo, Vladimir Putin, tem muitas visões neo-soviéticas, especialmente no que diz respeito à lei e ordem e defesa estratégica militar.[3]

De acordo com Pamela Druckerman do The New York Times, um elemento do neo-sovietismo é que "o governo administra a sociedade civil, a vida política e a mídia".[4]

De acordo com Matthew Kaminski, do The Wall Street Journal, inclui esforços de Putin para expressar a glória da União Soviética a fim de gerar apoio para uma "grande potência russa revivida no futuro", trazendo de volta memórias de várias realizações russas que legitimaram a União Soviética. domínio, incluindo a vitória soviética contra a Alemanha nazista. Kaminski continua dizendo que o neo-sovietismo "oferece o jingoísmo russo despido de pretensões internacionalistas marxistas" e o usa para assustar os vizinhos da Rússia e gerar patriotismo e antiamericanismo russos.[5]

Andrew Meier do Los Angeles Times em 2008 listou três pontos que expuseram o neo-sovietismo e como a Rússia moderna se assemelha à União Soviética:[6]

A Rússia era uma terra de duplicidade. Meier afirma que a Rússia deliberadamente distorceu palavras e fatos sobre vários assuntos, particularmente sobre a Guerra Russo-Georgiana na época, alegando que os Estados Unidos instigaram o conflito e que a Geórgia estava cometendo genocídio na Ossétia do Sul.
A Rússia estava disposta a aumentar seu poder por qualquer meio possível, incluindo dura repressão de seus próprios cidadãos, com exemplos sendo Mikhail Khodorkovsky e as Mães de Beslan.
A Rússia continua sendo uma terra em que "o medo do Estado - e seu alcance sufocante - prevalece", introduzindo inúmeras leis que limitam a liberdade de expressão e promovem a propaganda.

Nostalgia da União Soviética[1] (em russo: ?????????? ?? ????, romanizado: Nostal'giya po SSSR) ou nostalgia soviética[2][3] é um fenômeno social de nostalgia pela era soviética (1922-1991), seja para sua política, sua sociedade, sua cultura, seu status de superpotência ou simplesmente sua estética. Tal nostalgia ocorre entre pessoas na Rússia e em outros estados pós-soviéticos, bem como entre pessoas nascidas na União Soviética, mas que moram há muito tempo no exterior, e até mesmo entre comunistas e simpatizantes soviéticos de outras partes do mundo. Está associado ao patriotismo soviético.[carece de fontes]

Em 2004, o canal de televisão Nostalgiya, seu logotipo com imagens estilizadas de foice e martelo, foi lançado na Rússia.

Desde a queda da URSS e do Bloco Oriental, pesquisas anuais do Centro Levada mostraram que mais de 50% da população da Rússia lamentou seu colapso, com a única exceção a isso no ano de 2012, quando o apoio à União Soviética caiu abaixo 50 por cento. Uma pesquisa de 2018 mostrou que 66% dos russos lamentaram a queda da União Soviética, estabelecendo um recorde de 15 anos, e a maioria dessas opiniões de arrependimento veio de pessoas com mais de 55 anos.[4][5]

Na Armênia, 12% dos entrevistados disseram que o colapso da URSS foi bom, enquanto 66% disseram que foi prejudicial. No Quirguistão, 16% dos entrevistados disseram que o colapso da URSS foi bom, enquanto 61% disseram que foi prejudicial.[6] Uma pesquisa de 2012 encomendada pelo Carnegie Endowment descobriu que 38% dos armênios concordam que seu país "sempre precisará de um líder como Stalin".[7]

Uma pesquisa realizada em 2019 descobriu que 59% dos russos acreditam que o governo soviético "cuidou das pessoas comuns".[8] Uma pesquisa realizada em 2020 descobriu que 75% dos russos acreditam que a era soviética foi "o melhor momento" da história do país.[9]

De acordo com as pesquisas, o que mais falta na antiga União Soviética foi seu sistema econômico compartilhado, que proporcionava estabilidade financeira. As reformas econômicas neoliberais após a queda da URSS e do Bloco Oriental resultaram em padrões de vida severos para a população em geral.[10][11][12][13] As políticas associadas à privatização permitiram que grande parte da economia do país caísse nas mãos de uma oligarquia empresarial recém-criada. O sentimento de pertencer a uma grande superpotência era uma razão secundária para a nostalgia; muitos se sentiram humilhados e traídos por suas experiências ao longo da década de 1990 e culparam conselheiros de potências ocidentais, especialmente quando a OTAN se aproximou da esfera de influência da Rússia.[14]

De acordo com Kristen Ghodsee, pesquisadora da Europa Oriental pós-comunista:

Somente examinando como os aspectos cotidianos da vida cotidiana foram afetados por grandes mudanças sociais, políticas e econômicas podemos dar sentido ao desejo por esse passado coletivamente imaginado e mais igualitário. Ninguém quer reviver o totalitarismo do século 20. Mas a nostalgia do comunismo tornou-se uma linguagem comum através da qual homens e mulheres comuns expressam decepção com as deficiências da democracia parlamentar e do capitalismo neoliberal hoje.[15]

De acordo com a pesquisa do Levada Center (novembro de 2016), as pessoas sentem falta principalmente da União Soviética por causa da destruição do sistema econômico conjunto de suas 15 repúblicas (53%); as pessoas perderam o sentimento de pertencer a um grande poder (43%); a desconfiança mútua e a crueldade aumentaram (31%); a sensação de estar em casa em qualquer parte da URSS foi perdida (30%); e conexão com amigos, parentes perdidos (28%).[16] A socióloga do Levada Center, Karina Pipiya, diz que os fatores econômicos desempenharam o papel mais significativo no aumento da nostalgia pela URSS na pesquisa de 2018, em oposição à perda de prestígio ou identidade nacional, observando que a forte maioria dos russos "lamenta que costumava haver mais justiça social e que o governo trabalhou para o povo e que era melhor em termos de atendimento aos cidadãos e expectativas paternalistas."[17] Uma pesquisa do Levada Center de junho de 2019 descobriu que 59% dos russos achavam que o governo soviético pessoas comuns". A favorabilidade de Joseph Stalin também atingiu recordes na primavera daquele ano.[8]
  

O stalinismo é o meio de governo e as políticas marxistas-leninistas implementadas na União Soviética de 1927 a 1953 por Joseph Stalin. Incluiu a criação de um estado policial totalitário de partido único, rápida industrialização, a teoria do socialismo em um país, coletivização da agricultura, intensificação do conflito de classes, culto à personalidadee subordinação dos interesses de partidos comunistas estrangeiros aos do Partido Comunista da União Soviética, considerado pelo stalinismo como o principal partido de vanguarda da revolução comunista na época. Após a morte de Stalin e o degelo de Khrushchev, a desestalinização começou nas décadas de 1950 e 1960, o que fez com que a influência da ideologia de Stalin começasse a diminuir na URSS. A segunda onda de desestalinização começou no contexto da Glasnost soviética de Mikhail Gorbachev.

O regime de Stalin expurgou à força a sociedade do que via como ameaças a si mesma e seu tipo de comunismo (os chamados "inimigos do povo"), que incluía dissidentes políticos, nacionalistas não soviéticos, a burguesia, camponeses ricos ("kulaks "), e os da classe trabalhadora que demonstraram simpatias "contra-revolucionárias". Isso resultou na repressão em massa dessas pessoas e suas famílias, incluindo prisões em massa, julgamentos-espetáculo, execuções e prisão em trabalhos forçados e campos de concentração conhecidos como gulags. Os exemplos mais notórios foram o Grande Expurgo e a campanha de dekulakização. O stalinismo também foi marcado pelo ateísmo militante, perseguição anti-religiosa em massa, e limpeza étnica através de deportações forçadas. Alguns historiadores, como Robert Service, culparam as políticas stalinistas, particularmente as políticas de coletivização, por causar fomes como o Holodomor. Outros historiadores e estudiosos discordam sobre o papel do stalinismo.

Oficialmente concebido para acelerar o desenvolvimento em direção ao comunismo, a necessidade de industrialização na União Soviética foi enfatizada porque a União Soviética já havia ficado para trás economicamente em comparação com os países ocidentais e que a sociedade socialista precisava da indústria para enfrentar os desafios colocados pelos inimigos internos e externos do comunismo. A rápida industrialização foi acompanhada pela coletivização em massa da agricultura e rápida urbanização, que converteram muitas pequenas aldeias em cidades industriais. Para acelerar o desenvolvimento da industrialização, Stalin importou materiais, ideias, conhecimentos e trabalhadores da Europa Ocidental e dos Estados Unidos, estabelecendo pragmaticamente contratos de joint venture com grandes empresas privadas americanas, como a Ford Motor Company, que, sob supervisão estatal, ajudou no desenvolvimento da base da indústria da economia soviética do final da década de 1920 até a década de 1930. Depois que as empresas privadas americanas concluíram suas tarefas, as empresas estatais soviéticas assumiram o controle.

Enquanto alguns historiadores veem o stalinismo como um reflexo das ideologias do leninismo e do marxismo, alguns argumentam que ele está separado dos ideais socialistas dos quais se originou. Depois de uma luta política que culminou na derrota dos bukharinistas (a "Tendência Direita do Partido"), o stalinismo ficou livre para moldar a política sem oposição, inaugurando uma era de autoritarismo severo que trabalhou em direção à rápida industrialização, independentemente do custo.

De 1917 a 1924, embora muitas vezes parecendo unidos, Stalin, Vladimir Lenin e Leon Trotsky tiveram diferenças ideológicas discerníveis. Em sua disputa com Trotsky, Stalin desenfatizou o papel dos trabalhadores nos países capitalistas avançados (por exemplo, ele considerou a aristocracia trabalhista "burguesada" da classe trabalhadora americana). Stalin também polemizou contra Trotsky sobre o papel dos camponeses como na China, enquanto a posição de Trotsky favorecia a insurreição urbana sobre a guerrilha de base camponesa.

Todos os outros líderes bolcheviques da Revolução de Outubro de 1917 consideravam sua revolução mais ou menos apenas o começo, com a Rússia como o trampolim no caminho para a Revolução Mundial. Stalin acabaria por introduzir a ideia do socialismo em um país no outono de 1924, uma teoria que contrasta fortemente com a revolução permanente de Trotsky e todas as teses socialistas anteriores. No entanto, a revolução não se espalhou para fora da Rússia, como Lenin supôs que em breve aconteceria. A revolução não teve sucesso nem mesmo em outros antigos territórios do Império Russo ? como Polônia, Finlândia, Lituânia, Letônia e Estônia. Pelo contrário, esses países retornaram ao domínio burguês capitalista.

Apesar disso, no outono de 1924, a noção de socialismo de Stalin na Rússia soviética foi inicialmente considerada próxima da blasfêmia aos ouvidos de outros membros do Politburo, incluindo Zinoviev e Kamenev para a esquerda intelectual; Rykov, Bukharin e Tomsky à direita pragmática; e o poderoso Trotsky, que não pertencia a nenhum lado além do seu. Ninguém sequer consideraria o conceito de Stalin uma potencial adição à ideologia comunista. A doutrina do socialismo de Stalin em um só país não poderia ser imposta até que ele próprio estivesse perto de ser o governante autocrático da União Soviética por volta de 1929. Bukharin e a Oposição de Direita expressaram seu apoio à imposição das ideias de Stalin, já que Trotsky havia sido exilado, enquanto Zinoviev e Kamenev foram expulsos do partido.
  


Ditadura de extrema-esquerda baseada na doutrina do "socialismo em um único país".

O stalinismo esteve na União Soviética.
  

Ditadura de extrema-esquerda socialista que pregava o ateísmo, a proibição de religiões e promoveu a tortura e o trabalho forçado para quem fosse contra o governo na União Soviética e causou 60 milhões de mortes por fome, por decorrência do da exaustão, principalmente nos campos de castigo do governo.

A União Soviética foi dominada pelo stalinismo.
  


Ditadura de extrema-esquerda comunista e socialista que pregava o ateísmo, a proibição de religiões e promoveu a tortura e o trabalho forçado para quem fosse contra o governo na União Soviética e causou 60 milhões de mortes por fome, por decorrência do da exaustão, principalmente nos campos de castigo do governo.

A União Soviética foi dominada pelo stalinismo.
  

Ditadura de extrema-esquerda socialista que pregava o ateísmo, a proibição de religiões e promoveu a tortura e o trabalho forçado para quem fosse contra o governo na União Soviética e causou 60 milhões de mortes por fome, por decorrência do da exaustão, principalmente nos campos de castigo do governo.

A União Soviética foi dominada pelo stalinismo.
  

Ditadura de extrema-esquerda socialista que pregava o ateísmo, a proibição de religiões e promoveu a tortura e o trabalho forçado para quem fosse contra o governo na União Soviética e causou 43 milhões de mortes por fome, por decorrência do da exaustão, principalmente nos campos de castigo do governo.

A União Soviética foi dominada pelo stalinismo.
  

Comunismo soviético que matou 43 milhões de pessoas.

O stalinismo dominou a União Soviética.
  

Other informations about Stalinismo:

Words with 10 Letters
The Word Stalinismo has 10 Letters
The Word Stalinismo has 4 vowels - a i i o
The Word Stalinismo has 6 consonants - st l n sm
The Word Stalinismo inverted: Omsinilats
Reverse Search Onomasiological by Stalinismo
Visualize Stalinismo

1 page - 9 Definitions